O processo de comunicação corporativa (2/4)

13 de maio de 2010

O processo de comunicação corporativa, simplificando ao extremo, se compõe de quatro fases:
1.    Entender o contexto
2.    Traduzir o contexto
3.    Produzir conteúdo
4.    Comunicar

Numa sequência de quatro blogadas estaremos abordando sinteticamente cada uma dessas quatro fases.
========================================================================================

Traduzindo o contexto

Augusto Pinto
Traduzir o contexto é mais do que criar. Nas agencias de publicidade geralmente existe um diretor de criação e um diretor de arte. A parte que usualmente associamos à criação é a arte. Mas, antes que qualquer gênio produza uma baita peça, daquelas que ganha prêmio em Cannes, é preciso que alguém entenda o brief do contexto e tenha uma ideia. Ter ideias é criar, a arte vem depois; a arte já é produção de conteúdo.

Continue lendo »

Anúncios

O processo de comunicação corporativa (1/4)

29 de abril de 2010

O processo de comunicação corporativa, simplificando ao extremo, se compõe de quatro fases:
1.    Entender o contexto (muitos preferem a expressão fazer briefing)
2.    Traduzir o contexto
3.    Produzir conteúdo
4.    Comunicar

Numa sequência de quatro blogadas estaremos abordando sinteticamente cada uma dessas quatro fases.
========================================================================================
Entendendo o contexto

Augusto Pinto
Todo mundo acha que o grande desafio da comunicação é a criatividade, implícita na tradução do contexto. Ledo engano. É óbvio que a criatividade é fundamental na comunicação, mas sem entender o contexto criaremos a mensagem brilhante para vender o produto errado, ou para vender o produto certo para o público errado.

Continue lendo »


O que é mais importante: o fato, ou o contexto?

11 de janeiro de 2010

Augusto Pinto

A notícia é o fato contextualizado. Houve uma época em que os fatos em si eram vitais para a população. Ser simplesmente informado sobre catástrofes, fatos econômicos, fatos políticos, etc, era vital para as decisões de cidadãos e estados. Isso não é mais verdade, graças à profusão de canais abertos e universais, a Internet à frente, para inteirar a todos sobre as chamadas hard news, ou seja, sobre os fatos puros e simples.

Continue lendo »